sexta-feira, 16 de julho de 2010

Unção e Álcool Não Combinam

Publicado por: Pastorais - Data: 16/10/2009
IGREJA METODISTA DE STº ANTº DA PLATINA

Unção e Álcool Não Combinam

No entanto acredito que a pergunta que devemos responder é: de que forma a bebida alcoólica pode me abençoar ou trazer algum tipo de benefício? Acredito que a liberdade conquistada na cruz do calvário traz consigo o desafio de aprendermos a utilizá-la de forma adequada, sem que brechas sejam abertas e prejuízos instalados em nossas vidas, ou por nosso intermédio.

Em 1 Coríntios 6.19 o apóstolo Paulo nos lembra de uma pequena, porém significativa verdade: “não somos de nós mesmos, fomos comprados por bom preço. Glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus”.

No versículo 12 desse mesmo capítulo o desafio é: como lançaremos mão de nossa liberdade. Isto é, somos do Senhor, porém temos liberdade para caminhar de forma abençoadora ou destruidora, a escolha é sempre nossa. (Dt 30.15-19)

Podemos lançar mão de alguns elementos para nos ajudar a utilizar-se de nossa liberdade adequadamente.

1) Consagração e álcool não combinam

Em Levítico 10.1-11 encontramos alguns desafios do coração de Deus para os nossos corações. É um desafio para um grupo específico de pessoas, aqueles que tinham uma função sacerdotal.

O texto diz no versículo 3: “Disse o Senhor: Serei santificado naqueles que se chegarem a mim, e serei glorificado diante de todo o povo”. “Serei santificado naqueles que se chegam a mim...” Talvez caiba uma pergunta aqui: como é que Deus poderá ser glorificado diante do povo, se eu proceder como o povo? Como é que o povo pode ver a revelação de Deus se a minha postura é a mesma de todo o povo? Deus nos levantou para fazer diferença.

No versículo 8 Deus dá uma ordem muito específica para Arão: “Não beberás bebida forte, nem tu, nem teus filhos, quando entrardes na tenda da congregação, para que não morrais. Estatuto perpétuo será isso pelas vossas gerações para que possais discernir entre o santo e o profano, e entre o imundo e o limpo, e para ensinar aos filhos de Israel todos os estatutos que o Senhor lhes tem dado por meio de Moisés.”

É possível que você tente justificar-se dizendo que não faz parte desse “grupo sacerdotal”, porém não é o que afirma a Palavra de Deus.

Em Êxodo 19.5-6 Deus revela o seu projeto de fazer da nação toda uma nação santa e sacerdotal. Deuteronômio afirma que o Senhor se afeiçoou a nós para nos amar e a nossa semente, como hoje se vê.

É provável que você ainda afirme: isso é coisa do Antigo Testamento, porém analisando as Escrituras vamos perceber que esse projeto de Deus se cumpriu em Jesus. 1 Pedro 2.9-10 afirmam que em Cristo Jesus somos a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo de propriedade exclusiva de Deus, povo adquirido.

Em Cristo Jesus somos hoje uma nação sacerdotal para proclamar as boas novas, as virtudes daquele que nos chamou das trevas para a maravilhosa luz.

Como povo sacerdotal, o que se espera?

a) Que cresçamos na graça e no conhecimento (2Pe 3.18)

b) Que não nos embriaguemos com vinho (não façamos uso), mas que nos enchamos do Espírito Santo (Ef 5.18-21).

c) Que não nos associemos com as obras infrutuosas das trevas, antes, porém, condenemo-las.

d) Que tornemo-nos padrão na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza. (1Tm 4.12)

e) Que usemos bem a nossa liberdade. (Gl 5.13)

2) Razões históricas

A Igreja Metodista nas suas Regras Gerais defende o princípio da abstinência quanto ao álcool. Esse princípio não foi manifesto pela vontade de um homem, mas pela condição social em que se encontrava a Inglaterra quando do surgimento do movimento metodista de avivamento.

Descobriu-se que a população inglesa encontrava-se num profundo caos e o uso de bebidas com teor alcoólico era altíssimo, trazendo grande prejuízo para as famílias e conseqüentemente para a nação, gerando miséria e fome, uma vez que a prioridade dos grãos acabava sendo direcionada para a produção de destilador.

3) Sinais dos tempos

A última coisa que deve servir de alerta aos nossos corações é a lei aprovada recentemente em relação ao uso de bebida alcoólica no trânsito

A lei é rigorosa e o índice tolerado é zero. Se o índice tolerado é zero, isso é um sinal de que qualquer quantidade pode alterar a nossa capacidade de discernir entre o santo e o profano, entre o imundo e o limpo. Na verdade é o mundo clamando: Ajudem-nos!

As mesmas razões aplicadas no início do metodismo podem ser aplicadas em nosso tempo. Basta analisarmos as estatísticas e descobriremos que a nação brasileira também vivencia um caos social em relação a bebidas e drogas.

A nação precisa de referenciais, homens e mulheres que não se deixam dominar por vício algum e que pelo seu testemunho possam dizer a todas as pessoas que não precisamos de álcool e nenhum outro tipo de droga para sermos felizes.

A abstinência é também uma questão de testemunho. Ser um referencial para os que não conhecem e testemunho para os que estão se libertando, saindo dos vícios.

“Ai daqueles que escandalizam um dos pequeninos do Senhor”.

Pr Eduardo Villa Nova

Duas Verdades que Fortalecem a minha vida

Publicado pelo Pr Alberto Inácio de Oliveira 
IGREJA METODISTA SAP
Data: 02/07/2008

Duas Verdades que Fortalecem a minha vida


“Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé”. 1 Jo 5:4

Buscamos em nossas vidas elementos que nos façam vencer neste mundo, porém João em sua primeira carta escreve duas verdades que fortalecem nossa existência nesta terra!

Primeira verdade - Segundo João, precisamos - “ser nascido de Deus”.

Ser nascido de Deus é ter a vida dirigida pelo Espírito Santo, pois o Espírito nos capacita a entender as coisas celestiais, nos leva a viver uma constante transformação em nossa essência, nos faz rever nossos valores nesta terra. Este mover do Espírito leva-nos realmente aos benefícios dos herdeiros, tudo isso pela graça de Deus.

Segunda verdade - Segundo João, “a vitória que vence o mundo: a nossa fé”.

A fé nos remete a vitória sobre este mundo. A fé nos leva a lugares nunca antes explorados, nos dá a certeza que acontecerá algo novo e perfeito vindo de Deus.

Ao lermos Hebreus 11:1 vemos um relato do que é fé, veja : “ORA, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que não se vêem”.

1- “...firme fundamento...” – A convicção de que na luta não seremos decepcionados por aquele em quem temos colocado nossa confiança.

2- “...das coisas que se esperam...” - O que você espera? Seja o que for, não importa o tamanho ou a dificuldade. O que importa é que resista, persista, lute em oração e espere.

Uma das maiores certezas de minha vida é: “Quem espera em Jesus, espera na certeza” – Hebreus diz que “Jesus é ancora da esperança”. (Hb 6.19). Espere um pouco mais!

3- “... e a prova das coisas que não se vêem”. - Prova é um fato. Quando colocamos nossa fé em Jesus temos que aceitar que nada poderá impedir a concretização de nosso sonho. Certamente em Jesus todos os nossos sonhos se tornam realidade. Creia!!!

Assim, a melhor forma de fortalecer minha vida é: (1) ser nascido de Deus, por isso ande diante Dele, busque suas vontades. (2) Tenha uma fé atuante. Aquela que acredita não porque vai acontecer, mas porque já esta acontecendo. Profetize a sua benção, pois ela já existe.

Orando e crendo na ação de Deus sobre sua vida.

A MÚSICA QUE EDIFICA

Pesquisar este blog