quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Males da língua


Males da língua
Constantemente, a língua descontrolada profana, amaldiçoa, jacta-se, profere juramentos falsos, mente, engana e conduz à idolatria, ao adultério, ao homicídio. Traz a discórdia a uma família, a contenda a uma comunidade inteira ou o cisma em uma igreja local. Primeiramente, ela contamina o homem e então, por intermédio dele, todo um grupo de pessoas que o cerca. E dos males, o pior: quando deveria pronunciar-se pelo bem, mantém-se calada. A língua, às vezes, incendeia o curso da natureza mediante a ação de palavras malignas e destruidoras. Tal como uma roda gira sobre seu próprio eixo, sem ir a lugar nenhum, assim também é a repetição do mal que nunca cessa, e que se mostra insensato e inútil, com relação aos bons propósitos.
Impressionante como o homem consegue domar todos os tipos de animais irracionais, grandes e pequenos, mas não tem capacidade de domar a sua língua bestial. Os animais, as aves e os répteis se sujeitam ao homem, mas sua língua, dentro de seu próprio corpo, recusa-se. Está fora do controle humano. A menos que recebamos o auxílio divino, através da influência do Santo Espírito de Deus, jamais poderemos mudar nossos hábitos como sinceros cristãos. "Não vos enganeis: as más conversações corrompem os bons costumes", I Coríntios 15.33.

Bênção e maldição
O homem pode utilizar a língua para abençoar e amaldiçoar, muito embora isso não seja natural – uma fonte deve produzir água boa ou má e uma árvore frutífera um tipo ou outro de fruto. Logo, é contra a natureza um homem jorrar de si mesmo maldição e bênção. O mal uso da língua mostra a depravação íntima. A língua é um pequeno membro, mas pode inspirar uma nação a uma ação heróica. E também uma chama que pode inflamar uma multidão, levando-a a praticar um linchamento.
Alguém disse: Uma palavra proferida em um momento solene pode ser uma palavra mais poderosa para o bem ou para o mal do que qualquer ato físico". Pois o efeito que o Senhor Jesus tem tido na História se deve às suas palavras. Igualmente, Hitler, o ditador político alemão, inflamava as massas com sua oratória. Hoje, grandes líderes políticos e figuras religiosas, cuja oratória é poderosa, exercem influência sobre vasto número de pessoas tanto para o bem quanto para o mal.
Jesus disse em Mateus 12.36-37: "Eu afirmo que no dia do juízo cada um vai prestar contas de toda palavra inútil que falou. Porque as suas palavras vão servir para julgar se você é inocente ou culpado". Devemos admitir que o Senhor Jesus nunca usou de palavras superficiais, nunca brincou com as palavras, nunca falou por mera diversão, nunca disse alguma palavra sem propósito ou utilidade. Ele não tinha um espírito inclinado à tolices; era manso, misericordioso, inclinado à simpatia; mas jamais mostrou-se superficial. Nunca teve conversas banais. Esse ditado mostra que nosso padrão é muito elevado, e que temos muito o que fazer para alcançar o alvo que se apresenta na pessoa de Jesus.

Concluímos que, tanto a glória como a desgraça vem do falar - "O homem bom, do bom tesouro do coração tira o bem. O homem mau, do mau tesouro do coração tira o mal. Porque a boca fala do que está cheio o coração," Lucas 6.45. No entanto, o indivíduo que tem a sua língua sob controle em todos os sentidos é um homem autocontrolado.

A MÚSICA QUE EDIFICA

Pesquisar este blog