quinta-feira, 9 de junho de 2011

Incluir Deus no Processo de Decisão



A melhor e mais sábia abordagem para se tomar decisões consiste de três passos:
Primeiro, reconheça que você não sabe todas as respostas e peça Àquele que sabe, Deus, que o ajude a tomar a decisão certa.
Segundo, determine-se a aceitar a resposta que Ele oferecer, mesmo que esta contrarie a sua opinião ou vontade. Em outras palavras, você precisa sinceramente querer que Deus o ajude a decidir segundo o que Ele sabe ser o melhor para você e os demais envolvidos na questão. Muitas vezes, essa é a parte mais difícil, porque você precisa abrir mão da sua vontade em favor da dEle.
Terceiro, receba Sua resposta. Se sinceramente pedir a Deus para lhe mostrar o que Ele sabe ser o melhor em uma dada situação, Ele o fará. Sua resposta provavelmente se revelará por um ou mais dos seguintes meios, que aqui aparecem relacionados em ordem de importância e confiabilidade.

1. A Palavra de Deus. O primeiro lugar no qual buscar a vontade de Deus é nas Suas palavras registradas na Bíblia e em outros escritos por Ele inspirados. Deus deixou ali as respostas fundamentais para praticamente toda pergunta ou problema que encontramos na vida, muitas vezes de forma muito explícita e, outras, por meio de princípios espirituais que podem se aplicar à situação. “Lâmpada para os meus pés é a Tua palavra, e luz para o meu caminho” (Salmo 119:105).
2. A voz da Palavra de Deus. Já lhe aconteceu alguma vez de estar pensando ou orando sobre algo e o Senhor trazer à sua memória um versículo ou passagem das Escrituras que mostrou como Ele via a questão? Chama-se isso de ouvir a voz da Palavra de Deus. Já lhe sucedeu de estar lendo a Bíblia quando, de repente, um versículo ou passagem ganha um significado muito pessoal para você, como se tivesse sido escrito para você, a respeito da situação que você estava enfrentando? Essa é também a voz da Palavra. Deus aplica a Sua Palavra a você e à sua situação e você recebe a resposta que procura. “A Palavra de Deus é viva e eficaz” (Hebreus 4:12).
3. Revelação direta. Deus também fala conosco por meio de sonhos, visões, assim como pelas mensagens que recebemos diretamente dEle, quando fala aos nossos corações, que é o que a Bíblia chama de “profecia”. “Nos últimos dias, diz Deus, do Meu Espírito derramarei sobre toda a carne. Os vossos filhos e as vossas filhas profetizarão, os vossos jovens terão visões, e os vossos velhos sonharão sonhos.” (Atos 2:17).
4. Conselheiros divinos. Se quiser aprender a tocar piano, procure um pianista de talento para lhe ensinar. Se quiser aprender a cozinhar, procure alguém que cozinhe bem e cuja culinária lhe agrade. Se estiver tentando descobrir a vontade de Deus em uma dada situação, peça a ajuda de pessoas fortes na fé, que tenham uma relação estável com Jesus e saibam como Deus age. “Onde não há conselho, frustram-se os projetos, mas com a multidão de conselheiros eles se estabelecem.” (Provérbios 15:22).
5. Circunstâncias e condições. Às vezes, circunstâncias óbvias indicam a direção na qual Deus está guiando. Imagine um corredor comprido ladeado de portas. Em qual sala você entrará? Você vai de porta em porta, batendo e verificando as maçanetas, mas só poderá passar pelas portas abertas. Se algo for a vontade de Deus, Ele normalmente abrirá uma porta de oportunidade para que isso se concretize. “Diante de ti pus uma porta aberta, que ninguém pode fechar.” (Apocalipse 3:8).
6. Pressentimentos e preferências pessoais. É o que no mundo cristão alguns chamam de “testemunho do Espírito”. Os sentimentos podem ser traiçoeiros, quando somos orientados por nossos próprios espíritos, mas se Deus quiser que você tome um determinado curso de ação, Ele às vezes lhe dará um forte desejo ou uma convicção interior de que aquilo é a coisa certa a fazer. “Deleita-te no Senhor, e Ele te concederá os desejos do teu coração” (Salmo 37:4).
7. Sinais específicos pré-determinados. Às vezes são chamados de “sinais” ou “prova da lã”. Às vezes, você pode confirmar a decisão tomada pedindo a Deus um sinal específico, como a Bíblia relata sobre Gideão no livro dos Juízes. Pedir um sinal assim é como firmar um contrato com Deus. Se Ele cumprir Sua parte do trato, você deverá cumprir a sua.
Disse Gideão a Deus: “Se hás de livrar a Israel por minhas mãos, como disseste, olha, eu porei um velo de lã na eira. Se o orvalho estiver somente no velo, e seca a terra ao redor, então conhecerei que hás de livrar a Israel por minha mão, como disseste.”
E assim aconteceu. No dia seguinte ele se levantou de madrugada, apertou o velo e do orvalho do velo espremeu uma taça cheia de água.
Disse mais Gideão a Deus: “Não se acenda contra mim a Tua ira. Permite-me ainda falar só esta vez. Rogo-Te que mais esta vez eu faça a prova com o velo. Rogo-te que só o velo fique enxuto, e em toda a terra haja o orvalho.”
Deus assim o fez naquela noite. Só o velo estava enxuto, e sobre toda a terra havia orvalho. (Juízes 6:36–40).
Acima de tudo, acredite que Deus o ama e o ajudará a tomar a decisão certa — aquela que Ele sabe será a melhor para você e para os outros. Jesus disse: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois aquele que pede, recebe; o que busca, encontra; e ao que bate, se abre.” (Mateus 7:7, 8). Isso é uma promessa!

http://www.contato.org/article.php?id=1083&product_id=65

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A MÚSICA QUE EDIFICA

Pesquisar este blog