sábado, 17 de julho de 2010

“A morte e a vida estão no poder da língua; O que bem a utiliza come do seu fruto”. Pv 18.21



Publicado em Pastorais do site da Igreja Metodista de SAP

A Língua Difamadora



Pense sobre esse versículo por um momento: A morte e a vida estão no poder da língua. Temos alguma idéia do que significa? Significa que você e eu passamos pela vida com um poder incrível – como o fogo, a eletricidade ou a energia nuclear -, um poder que pode produzir vida ou morte, dependendo de como é usado.
Com esse poder, temos a capacidade de fazer um grande bem ou um grande mal, um grande benefício ou um grande malefício.
Podemos usá-lo para criar morte e destruição ou para criar vida e saúde. Podemos falar de doença, enfermidade, dissensão e desastre ou de saúde, harmonia, exortação e edificação.
A escolha é nossa.

 Semear e Colher

Observe que a segunda parte de Provérbios 18.21 diz que comeremos do fruto da nossa língua. Isso lembra o princípio espiritual de que colhemos aquilo que plantamos. Se semearmos para a carne, da carne ceifaremos ruína, decadência e destruição, mas ao semearmos para o Espírito, do Espírito ceifaremos vida, saúde e abundância.
Às vezes é difícil manter o controle da língua, louvar e glorificar ao Senhor quando ao redor todos preferem ceder à murmuração, às queixas e a todo tipo de negativismo.
Você está usando sua língua para exortar e edificar ou para desencorajar e destruir?


Dizer uma Boa Palavra

“O Senhor Deus me ensina o que devo dizer a fim de animar os que estão cansados. Todas as manhãs Ele faz com que eu tenha vontade de ouvir com atenção o que ele vai dizer”. Is 50.4 (Bíblia na linguagem de hoje)
            Você vê pessoas cansadas no corpo de Cristo? Sim, o mundo tem problemas sérios, mas também há muitos que são nascidos de novo, cheios do Espírito de Deus que estão necessitados de uma boa palavra.
Mas usar nossa boca para animar nossos irmãos.
“De uma só boca procede bênção e maldição. Meus irmão, não é  conveniente  que  estas coisas sejam assim”. Tg 3.8-10
Fofoca, julgamento, crítica e ficar procurando falhas nos outros desagradam a Deus pois, com a mesma boca que O louvamos e bendizemos, amaldiçoamos e condenamos os nossos irmãos.
Antes de dizermos coisas sobre nossos irmãos, devemos olhar para nós mesmos e vermos como realmente somos.

Espalhando a Difamação

“Difamar” é julgar os outros e espalhar a crítica.
Você sabia que quando ouvimos algo sobre outra pessoa, mesmo que não acreditemos, isso contamina (envenena) o nosso espírito? Toda a vez que encontrarmos aquela pessoa vamos olhá-la de um jeito diferente. Por quê? Porque o nosso espírito foi contaminado.
De acordo com o Webster, a palavra “difamar” é derivada da palavra em latimscandalum, significando “escândalo”, que por sua vez é derivada da palavra grega skandalon,que significa “armadilha”. A palavra grega traduziu “difamadores” na versão King James de I Timóteo 3.11 como diabolos, que Strong define como “um maledicente: especialmente Satanás... o falso acusador, diabo, difamador”.
Somos difamadores quando julgamos o comportamento e conduta dos outros e espalhamos insinuações e críticas na Igreja.
Quando difamamos alguém ou acusamos outra pessoa falsamente estamos permitindo que o diabo use a nossa boca.
Precisamos reconhecer que temos problema nessa área. A razão para que o Senhor nos traga essa mensagem é porque Ele deseja tratar com a nossa vida, porque ELE NOS AMA e quer o nosso bem.
                       
                         Extraído e adaptado do Livro “Eu e Minha Boca Grande”
                                                                                       Colaboração Céia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A MÚSICA QUE EDIFICA

Pesquisar este blog